Lucia Mindlin Loeb

Lucia Mindlin Loeb – Retorno 1 e 2
Cruzeiro, 2011
livro em offset
100 x 14 x 14,5 cm

textos ciclo expo

Lucia Mindlin Loeb
Retorno

A linearidade do livro tradicional narrado em prosa é dada pela organização da leitura, que possui começo e fim – o leitor, de antemão, pode contar com os pontos de partida e chegada de sua trajetória através de uma sucessão de eventos.
Lucia Mindlin Loeb é uma conhecedora na natureza e história do livro, do vocabulário que define seus elementos estruturais e ornamentais, discutindo-os em vários trabalhos, ao longo de sua produção. Em Cruzeiro, o tempo parece estar em suspensão. A mesma imagem, apropriada, é repetida inúmeras vezes no livro sem narrativa, que pode ser manuseado em qualquer direção, sem um antes e um depois, sem reviravolta ou clímax.
Porém, Retorno, não é apenas Cruzeiro, trata-se de uma instalação, na qual o livro-Cruzeiro só navega porque acompanhado da paisagem marítima, fotografia impressa num tecido fluido e translúcido, conferindo à imagem, quase evanescente, certa mobilidade. O livro-objeto ganha sentidos outros no silencioso convívio com a imagem da parede.
A polissemia do termo, que denomina a velha moeda, desgastada pelo seu percurso, ao mesmo tempo que diz respeito a um modo de deslocamento, entre outras acepções, remete à circulação – do sistema financeiro, dos sentidos simbólicos, da narrativa histórica. O livro que se torna obra de arte quer ser permanência, mas, na ambigüidade do nome, torna a ser fluxo, travessia, percurso.
A imagem privilegiada da cédula, por sua vez, remete à representação do valor de troca, a narrativa representa uma ação, porém, a obra de arte, no caso de Cruzeiro, ressignificação do papel impresso num contexto diverso, é apresentação de relações simbólicas. Lucia parece saber da poética clássica que a boa narrativa tem início in media res, no meio da ação, que não é necessário, para se atingir a clareza, começar do começo.

Ana Cândida de Avelar