Mallarmé, O Livro

etiqueta

  • exposição

até 20 de abril

terça a sexta, 10 às 21h
sábados, domingos e feriados, 10 às 20h
entrada franca

informações

Mallarmé, O Livro

Klaus Scherübel

descrição

No dia 20 de fevereiro, o Centro Universitário Maria Antonia, inaugurando a programação de atividades de sua Biblioteca Gilda de Mello e Souza, em 2014, abriu a todo o público a exposição Mallarmé, O Livro, de Klaus Scherübel, artista austríaco radicado em Montreal, Canadá. Com entrada franca, a exposição fica em cartaz até 20 de abril. A exposição acontece no 2º andar do edifício Rui Barbosa.

O ponto de partida de Klaus Scherübel é o projeto do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842-1898), intitulado Le Livre – um livro concebido como uma estrutura extremamente flexível que conteria “a totalidade das relações existentes entre todas as coisas”. Esse livro utópico permitiria infinitas possibilidades de leitura e seria a soma de todos os livros, configurando-se como a essência definitiva da literatura. Mallarmé imaginou publicá-lo numa edição de precisamente 480.000 cópias (para a época, uma tiragem de tipo best-seller), pautado pelo que atualmente se define como interatividade, já que dependeria também do leitor para se concretizar, não sendo prescrita uma determinada sequência de leitura. Essa abertura permitiria que o leitor se colocasse na função de co-autor, assim como faz na sua exposição o artista Klaus Scherübel, que atua como uma espécie de editor da obra ao mesmo tempo mítica e esquecida do poeta francês, que é considerado um dos pilares da poesia de vanguarda do século XX, e referência desde então também para diversos artistas, entre eles Picasso, Duchamp e Marcel Broodthaers.

A proposta da exposição Mallarmé, O Livro implica materializar a contradição do projeto de Mallarmé. Scherübel dispõe no espaço expositivo um vídeo, fotografias e objetos, com base em uma série de declarações e anotações de Mallarmé, como, por exemplo, as que especificam dimensões e outros aspectos do Livro. Embora essa grande obra impossível nunca tenha sido completada, de certa forma aqui ela é artisticamente concretizada, valendo-se dos modos convencionais de produção, distribuição e recepção de um livro atual.

A exposição é uma iniciativa conjunta do Centro Universitário Maria Antonia da USP, com apoio do Bundesministerium für Unterricht, Kunst und Kultur e do Conseil des arts et des lettres du Québec.

Klaus Scherübel nasceu em 1968, em Bruck an der Mur, Áustria e atualmente vive e trabalha em Montreal, Canadá. Seus trabalhos foram apresentados em instituições e galerias, como Neue Galerie am Landesmuseum Joanneum (Graz, 2001), Vox - Centre de l’Image Contemporaine (Montreal, 2002), Fundació Joan Miro (Barcelona, 2003), Transmediale (Berlim, 2004), Printed Matter (Nova York, 2004), Art & Essai, Université de Rennes (2005), Centre d’Art Contemporain Óptica (em colaboração com Musée d’Art Contemporain de Montréal, 2005), Musée des Beaux-Arts du Canada (Ottawa, 2006), Ursula Blickle-Stiftung (Kraichtal-Unteröwisheim, 2007), MUSAC Museo de Arte Contemporáneo de Castilla y León (León, 2009), MoMA PS1 (Nova York, 2009), NAMOC National Art Museum of China (Beijing, 2010), 21er Haus Museum of Contemporary Art (Viena, 2013) entre diversos outros locais.