gilvan samico e a gravura no brasil

etiqueta

  • debate

25 de fevereiro

segunda, 20h às 22h

informações

gilvan samico e a gravura no brasil

Cláudio Mubarac, Priscila Sacchettin
e Alberto Martins

entrada franca - 90 lugares

descrição

No dia 25 de fevereiro, às 20h, o Centro Universitário Maria Antonia recebe Cláudio Mubarac, Priscila Sacchettin e Alberto Martins para o debate Gilvan Samico e a gravura no Brasil. A entrada é franca (90 lugares).

O debate discute a obra inicial, ainda pouco conhecida, de Gilvan Samico, um dos mais renomados gravuristas do país, dando destaque a aspectos de seu trabalho até hoje pouco explorados pela crítica. Permitindo uma visão da produção do artista e da gravura moderna de modo geral, que não se conforma à historiografia dominante, serão abordados a formação artística de Samico com Osvaldo Goeldi e Lívio Abramo, as múltiplas fontes que transcendem a tradição popular mais evidente em seu trabalho e o contexto da produção neoconcreta que ele testemunhou em sua estada no Rio de Janeiro nos anos 50, entre outros temas.

A iniciativa é um desdobramento da exposição Gilvan Samico – primeiras estórias, com a curadoria de Cláudio Mubarac e Priscila Sacchettin, em cartaz no Centro Universitário Maria Antonia até 10 de março, e que estará aberta no dia do debate.

Cláudio Mubarac é pós-graduado em Artes Plásticas pela ECA-USP. Foi professor de gravura na FAAP e orientador do Ateliê de Gravura Museu Lasar Segall. É professor de desenho e gravura da ECA-USP, na graduação e na pós-graduação em Artes Visuais. Como artista, tem trabalhos em acervos de vários museus, como a Pinacoteca do Estado de São Paulo, MAM-RJ e Gabinete de Estampas da Biblioteca Nacional da França, tendo realizado mais de uma centena de exposições individuais e coletivas, dentro e fora do Brasil.

Priscila Sacchettin é mestre em Filosofia pela FFLCH-USP e doutoranda em História da Arte na Unicamp, com pesquisa sobre os ateliês de gravura em São Paulo e no Rio de Janeiro na década de 1950. Colaborou como redatora na Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural e trabalhou como assistente de curadoria no IMS – Instituto Moreira Salles.

Alberto Martins é mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH-USP
e doutor em Artes Plásticas na ECA-USP. Poeta e artista plástico, publicou livros como Goeldi - história de horizonte (Paulinas, 1995), Cais (Ed. 34, 2002), Uma noite em cinco atos (Ed. 34, 2009) e Em trânsito (Cia. das Letras, 2010). Possui trabalhos em acervos de vários museus, como o MAM-SP, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Fundação Castro Maia (Rio de Janeiro). Entre suas exposições mais recentes, podem ser citadas a retrospectiva de sua obra apresentada na Estação Pinacoteca, em São Paulo e a exposição Cor, Corte, Ferrugem (Gabinete de Arte Raquel Arnaud, 2010).