fazendo escola (ou refazendo-a?)

etiqueta

  • lançamento e debate

21 de março de 2013

quinta-feira, as 20h

informações

fazendo escola (ou refazendo-a?)

Thierry de Duve e Gaudêncio Fidelis

entrada franca · 90 lugares
retirar senha 30 min antes

descrição

No dia 21 de março, às 20h, o Centro Universitário Maria Antonia recebe Thierry de Duve para o lançamento do livro Fazendo escola (ou refazendo-a?) (Argos, 2013), em debate com Gaudêncio Fidelis. A entrada é franca (90 lugares) e haverá distribuição de senhas 30 minutos antes de seu início.
A iniciativa é uma parceria do Maria Antonia com o Museu de Arte do Rio Grande do Sul Aldo Malagoli e com o Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da ECA-USP.

Em Fazendo escola (ou refazendo-a?), Thierry de Duve se debruça sobre o universo do ensino da arte e da formação de artistas a partir de suas experiências de ensino e com a visão crítica de quem conhece profundamente o mundo das artes. Inédito em português, o texto propõe uma análise rigorosa dos modelos de ensino estabelecidos, fundamentalmente o acadêmico e o Bauhaus, ambos obsoletos, na perspectiva do autor.
Como alternativa a esses modelos, de Duve propõe outra relação de aprendizado, baseada em uma abordagem de “transmissão”, cujo caráter seria essencialmente anti-acadêmico. O autor reivindica o mergulho em um repertório de ferramentas para a reflexão sobre o ensino, entre elas a história da arte e a estética.

No dia seguinte, 22 de março, Thierry de Duve estará na ECA-USP acompanhado da artista Lisa Blas para palestras no auditório Lupe Cotrim. Às 14h30, Lisa Blas dará a palestra Todas as guerras nascem em um monte, na qual apresenta e discute alguns de seus trabalhos que lidam com representações de paisagens, naturezas mortas ou retratos, envolvendo a história política e social e técnicas como fotografia, pintura, colagem e instalação. Às 16h30, no mesmo auditório, Thierry de Duve dará a palestra A invenção da não-arte, em que rediscute este último conceito (associado nos anos 1960 ao Dadá e Neo-Dadá), mostrando suas ligações anteriores a Marcel Duchamp, que remetem aos Salões do século XIX na França.

Thierry de Duve é historiador da arte e filósofo, professor emérito da Universidade de Lille 3. Publicou Kant after Duchamp (The MIT Press, 1996), Clement Greenberg between the lines(Dis Voir, 1996) e Sewn in the sweatshops of Marx: Beuys, Warhol, Klein, Duchamp (The University of Chicago Press, 2012). Foi curador de exposições como Look: 100 Years of Contemporary Art, realizada para o Palais des Beaux-Arts em Bruxelas, em 2000, e da representação da Bélgica para a Bienal de Veneza, em 2003. No Brasil ministrou seminários no Centro Universitário Maria Antonia (2005), na Fundação Joaquim Nabuco, em Recife (2006), e na Universidade de São Paulo (2010).

Gaudêncio Fidelis é bacharel em Artes Plásticas pela UFRS, mestre em Arte pela Universidade de Nova Iorque e doutor em História da Arte pela Universidade do Estado de Nova Iorque. Desenvolve projetos curatoriais e atualmente é diretor do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS). Autor de Dilemas da matéria (Museu de Arte Contemporanea RS, 2002) e A persistência da pintura (Cosac Naify, 2005).

Lisa Blas é mestre em Belas Artes (M.F.A.) pela Claremont Graduate University e bacharel em Ciências Políticas pela University of Southern California. Em seus trabalhos, utiliza técnicas como pintura, fotografia, instalações e vídeos, e já realizou exposições como Lisa Blas: Still Lifes, Sometimes Repeated (Rossicontemporary, Bruxelas, 2012) e Lisa Blas: Meet Me At the Mason Dixon (Schmuker Art Gallery, Gettysburg, 2011).